30.11.08

sem título - 068

Ainda dará sintonia total!
Voando cedo
Ao meu labirinto, dominado e usando somente o mesmo monastério,
trará jericó todo, sem precedentes.
Uma máxima
Saudade
Dádiva
Delatora
Muito tomada, grandiosa
debaixo:
Ficou Couto Lopes Renato na porção longitudinal
garantida daquela taboa, ainda datada.
Aquela manhã, Rei:
votos cementados.
Se é agora, morte não se abalará
cada
batida
tão
Cetro
Dominado.

27.11.08

sem título - 067

Seria propício o momento para se falar em aquecimento global? Ahhh
Seria sim muito propício, mas a chuva deste ano logo vai passar, os estragos vão ser contabilizados, ajudas virão, Santa Catarina resistirá este ano de novo. Mas provavelmente RBS tv e outras emissoras, daqui um mês, estará preocupada em noticiar a quebra do movimento, logo no princípio da temporada. O assunto será outro, não mais aquecimento global. Mas falar sobre vendas, dinheiro. O que move a máquina.

Somente se falará de aquecimento, no próximo ano.
Interessante, como é mostrado na mídia quando se fala de aquecimento global. Nos vídeos, quando mostra emissão de fumaça, mostram os ônibus. Isso tem efeito sobre as pessoas de menos conhecimento. A ponto de escutar um senhor dentro do ônibus dizendo que estava surpreso de ver o ônibus quase vazio (lógico que ele não pegou em horário de pico). A conversa se adiantou e a criatura disse que ficaria feliz se as pessoas pudessem pagar mais táxis, por que um ônibus (ele disse que viu na televisão), polui demais.
Onde vai a ignorância da pessoa.
Lógico que não me contive se entrar na conversa.
Questionei o "culto" senhor sobre as fontes.
Uma criatura dessas ira falar para mais criaturas como ele.
Até mostrar para ele que era burrice pensar desta forma, foram vários kms.

Se isso é difícil de entrar na cabeça das pessoas.
Falar de castração como solução, por mais que as pessoas sejam informadas. É muito complicado. Mesmo pessoas com mestrado, doutorado em química, pedagogia, direito o que imaginar.

Complicado.

Como podem ser tão cegos e não enxergar na frente tudo o que acontece.

Castração sim.Capacitação de idosos.
Queremos viver mais, mas para isso é preciso que pare de nascer tanto que vão querer viver mais.

Aí vem outro problema, quem irá pagar as contas no final?
Em 2050, o número de aposentados estará ultrapassando o número de efetivos.

Este seria um argumento bem pesado para a minha tese de contenção do crescimento.

O que se apresenta é um quadro de mudança completa da maneira de existir. De pensar, de viver. Vivemos nosso xeque-mate inevitável. Um grande tabuleiro onde as peça estão se dispondo dia após dia. A cada decisão errada que se toma.
Uma ministra vende uma parte da amazônia para "desmatamento controlado", mas isso é passado.
O capitalismo é a praga que irá mandar.
Mandar tudo isso para um inferno aqui na terra.
A igreja Católica foi contra comunismo e socialismo. O que devia estar por trás de tudo isso?
A mesma igreja que reza para chover, salvar vidas, parar de chover. A mesma que veio até aqui "civilizar" os índios.

A hora de se repensar em aquisição de capital. O mundo sobreviverá, nós humanos sem predadores não.A medida seria contenção de crescimento populacional URGENTE. Juntamente com uma migração para um mundo mais comum e social. Pois seremos uma multidão de velhos babões, esquisofrênicos, com Alzeimer usando big-fral. Quem irá tomar conta de tantos velhos, com tão poucas pessoas nascendo?
Esse é o preço de se viver mais, de alterar o relógio biológico. Remédios e mais remédios, curando cada vez mais.

O que será desta geração de 1990?

Mas o fato, a chuva vai passar.
A água vai baixar e este assunto vai ficar só para o ano que vem, quando tudo se repetir de maneira mais intensa.

21.11.08

Mera Distração escreve

Ah!
Se eu pudesse com os meus olhos
acariciar a sua pele.
Com o meu olfato
sentir o seu coração acelerado.
Se o meu tato fosse propositadamente
levado ao alcance do seu cheiro.
E a minha audição, pura e simplemente,
disposta a ouvir sua boca.
Enquanto meu paladar se delicia
com as palavras que saem das suas letras.

Eu não me importaria de viver
essa singular confusão indiscreta dos meus sentidos.

escreveu Livia Brito em Mera Distração

15.11.08

sem título - 065

Mesmo não sendo adepto aos vídeos do YouTube nos blogs. É impossível não ter este blues para escutar, enquanto conto uma história.





Eu li em um livro de histórias da mitologia grega, e vou resumir aqui. lógico que não será tão bem contado como no livro.

É a história de Admeto e Alceste.

"Zeus um dia resolveu testar como os humanos o acolheriam na terra. Chamou seu filho Hermes, e foi. Como sempre, disfarçado.

Ele e Hermes, foram como andarilhos, mendigos, propriamente ditos. Acreditando que existia bondade em todos os humanos.

Chegaram em uma mansão com muitos quartos, foram recebidos pelo serviçal, que os expulsou de lá. Zeus, zangou-se, mas como era ainda a primeira tentativa. Tentou em uma segunda casa.

Onde havia um casamento. Muita comida, comida de sobra, muito vinho. Zeus que adora uma festa, ficou todo feliz. O dono da festa os recebeu, com uma cara fechada.
Os dois "andarilhos" pediram um pouco de comida, pois estavam com fome. O dono pediu que aguardassem e fechou a porta. Logo depois apareceu uma empregada jogando para fora pote com uns restos de comida, que ao cair no chão acabou de virar.

Hermes viu em Zeus a cólera tomando conta. Sabendo do sangue quente do pai.. sugeriu então que tentassem mais uma vez.

Desta vez, chegaram em uma casa que estava toda fechada, cortinas tudo. Bateram, e apareceu na janela um homem, com o peito desnudo, depois uma mulher enrolada em um lençol. Nem bem acabaram de ouvir os "andarilhos", e fecharam a janela.

Mais uma vez o insistente Hermes apaziguou Zeus e seguiram.

Então chegaram em uma humilde casa (sempre assim nestas histórias). Uma casa realmente muito simples. Lá se encontrava um casal já de idade. O senhor da casa, Admeto, recebeu os visitantes com um largo sorriso. Preocupado pois pareciam cansados. Chamou a esposa Alceste para que servisse uma boa refeição para os convidados. Sempre prontos para atender.

Admeto retirou do fundo de um armário, um vinho, que pelo visto estava há muito guardado.

A mesa colocada, foram saborear a comida.

Foi quando Admeto, percebeu que apesar de terem bebido e comido bastantes, a comida e o vinho pareciam ainda intocados.

Então Admeto, em profundo respeito falou para a esposa. Estamos diante de Zeus, não percebe? Desculpou-se pela humilde casa... e todas a reverencias possíveis.

Zeus com um largo sorriso, chamou-os para caminhar e foram até uma montanha. Lá Zeus pediu para Ademto que desejasse qualquer coisa e seria atendido.

Admeto, pediu para conversar com a esposa. Após um breve instante disse para Zeus.

- Poderoso Zeus, meu desejo é que eu e minha esposa duremos na terra o mesmo período de tempo, pois não suportaríamos viver afastados um do outro nem um dia sequer.

Então Zeus disse será feito como pediu. Levantou as mãos então instalou-se um dilúvio varrendo tudo por onde ele não havia sido acolhido. Viram passar os integrantes da festa, os amantes o casarão...

Então Alceste, soltou um grito de terror quando viu sua humilde casa sendo levada também pelas águas.

Porém, em seu lugar, surgiu um templo magnífico, do qual o casal foi incumbido de cuidar. Zeus ainda negociou com as Parcas, mais uns anos de vida para os dois.

Assim viveram até a mais tardia velhice, juntos, inseparáveis.

Quando um dia, sentados a frente do tempo. Conversando, como sempre fizeram durante toda a vida. Admeto sentiu uma estranha coceira no pé direito. Ao coçar, viu que um pequeno ramo surgiu, depois mais outro. Começando a tomar conta de seu pé inteiro.

No mesmo instante olhou para Alceste. Que também estava se transformando.

Em poucos minutos os dois, haviam se transformado em duas enormes árvores frondosas em frente ao templo. Com seus galhos entrelaçados.

Desta forma Admeto e Alceste, viveram por mais uma vida juntos e unidos."

Por isso se um dia alguém disser que deseja ser uma árvore ao seu lado, talvez ele esteja querendo dizer o quão sincero é o seu amor por você.


Mais um vídeo, para continuar no clima e pensar um pouco.




Para quem não conhece:
Roy Buchanan
1º Video - Sweet Dreams
2º Vídeo - The Messiah Will Come Again

11.11.08

sem título - 064

Logo agora
me leve
e leve
eleve

seja breveseja de ultra-leve
que seja ultra leve
muito mais leve
leve
em pensamento

o jumento que empaca
em idéias sem fundamento
eleve

e muito mais levemesmo que a neve
solta e fofa
até a neve solta e fofa
vira barro
vira barco

e cai, tudo cai
tudo despenca
até a banana
se sozinha des penca
seiosbundas
pálpebras,
tudo cai
tudo jaz

agora trás
contigo em pensamento
o jumento que a tudo jaz
agora livremais leve impossível


e levecomo de outra
forma não deveria ser

19.8.08

Sem Título - 062



vamos chegando
tem festa
tem fogueira
e tem religião
se engana quem pensa
em São João..
falo aqui da querida
Santa Inquisição

7.7.08

sem título - 061


Mamutes mutantes,
viraram elefantes.

Outros pobres
transeuntes,
com filariose,
elefantiase.

Outros alienados,
amebiase.

5.7.08

sem título - 060


Sem o vento que sempre sopra,
nos grandes eventos, que vem dos conventos
as cara-velas rezam seus terços, e quartos e quintos.
La vão elas com suas chamas, irão apagar o fogo
em algum dia santo.
Seja Tiago, ou o próprio Antônio,
que já é de casa
e sem pouco causo,
mulheres as vezes encalhadas
ele casa,
quase sempre ao acaso.
Acredita você num acaso?

16.6.08

sem título - 059


emoção

comoção



há que se ligar a emoção ao maremoto, mas de forma poética..
emoção com vagalhão, talvez?
inundação
de sentimento
sentidos

direita
esquerda

torrente, corrente e nada coerente
que deixa qualquer um sorridente
mesmo sem dentes aqueles
que com sorriso banguela parecem ainda mais felizes,
sorri dentes
até as orelhas
até a última molécula
esta é sim, a verdadeira felicidade,
de alegrar moléculas
invadidas com a onda de sentimento
por semanas, meses
batendo
debatendo
a cada sorriso arrancado
cada lágrima provocada

Por que toda musa é difícil de se conquistar?
Por acaso elas leêm um manual
"manual da musa durona" - 230º edição revisada e comentada
só assim se mantém
distante e inspiradora
mesmo perto,
não deixará de ser musa
então olhe bem...
veja se não abusa!!!!

sem título - 058

Kamikaze de mim
eu e você...
cade eu?
Perdido?
...e sem sono
Kamikaze que não te atiras?
Que paixão ainda falta para te lançar?Contra teu destino...
a favor?
pavor?
por favor!!!!
Te lanças, ó kamikaze
para todas as emoções que te esperam.
Te atiras para tua vida...Caia

Te lance.. Te apaixone.

Sinta o sabor da queda, mergulhe

dentro da emoção que nos cerca,
ó kamikaze.

5.6.08

mais que palavras - 008




alguém roubou algo na cena

29.5.08

mais que palavras - 007

mais que palavras - 006


mais que palavras - 006


sem título - 057



vem sempre aqui?
não, eu vim
só para conhecer você
mesmo?
não...
mas poderia ser um
belo começo. Não concorda?
...talvez
talvez...

sem título - 056


Como dizer para o Al Gore que eles está equivocado em todo seu discurso pró live heart?
Mais uma vez falo do delírio coletivo que se estabelece. Basta assistir a tv senado, discursos políticos, ONGs fraudulentas. Campanhas publicitárias...
Isso tudo dá credibilidade:

"sua empresa se preocupa com a poluição, então ela é uma empresa legal."

Campanhas publicitárias de controle de natalidade não vendem. Um bebê sorrindo vende muito mais. Esta idéia global vendida em final de novela, em que todas se casam, ficam prenhas e vivem felizes para sempre.

Delírio coletivo sim. Pois nenhuma medida para salvar o planeta, seja diminuição de carbono liberado, seja controle de poluentes, bio-combustíveis; nada disso salvará as gerações futuras.
Pelo simples fato de que a idéia de solução ainda é uma idéia capitalista (maldita revolução industrial), pois todos os discursos se baseiam em um crescimento sustentável. O planeta não cresce.. logo como vamos crescer?
Nenhum discurso que observo fala em controle populacional massivo.

“Não é a poluição que está prejudicando o meio ambiente. São as impurezas em nosso ar e na água que fazem isso.” G. W. Bush
O que realmente será a única solução.
Já está faltando arroz no mundo... sinceramente duvido um pouco disso, acredito que seja apenas manipulação para aumentar o preço do produto mundialmente mas, se for verdade, talvez seja a primeira besta do nosso Apocalipse.

16.5.08

sem título - 055


não me lembro, se em setembro
mas era ela, ainda pequena ao meu lado
faz tanto tempo
foi o início,
e o fim?
quem pensa no fim,
em uma terra de sem fins?

13.5.08

sem título - 054

não vou
cantar, ainda, amores
mesmo havendo certos rumores
também não vou usar de tambores
que facilitaria a rima, o que seria óbvio demais
apenas vou falar de um contemplamento calmo e tranquilo
que se anuncia

decompor o novo no velho

12.5.08

homenagem para "M P"

Honrosamente recebi um texto do meu mais antigo amigo, e não poderi deixar de postar aqui:

Palavra Maldita

A dita palavra não me sai da cabeça!

Bem. Antes mal dita que não dita.

Se a tivesse engolido, estaria atravessada na garganta.

Ou embrulhada no estômago.

Melhor assim: na cabeça, junto das outras mal ditas.

O que dizer da não dita?

é amarga para quem não a disse.

Para quem engole seco a palavra quente,

que deixa úlcera no estômago e que causa congestão.

Esta sim é palavra maldita: a não dita.

Sabe o que acho de tudo isso?

Não sei se eu digo... Glup!

(Danilo – outubro/2007)

30.4.08

artifício - 005


desta vez é sem dica, entendeu Stanley?

29.4.08

sem título - 053

O ar da noite é estritamente necessário, necessário às ilusões, ao coração
Envolve-me com seus braços musculosos

Num abraço nostálgico,
Num desejo medroso.
E fico a te olhar a cada instante
Sem que estejas comigo
Grito com os olhos
- tu não escutas-
Então, sinto a lágrima salgada
Molhar meu lábio Não sei se é minha ou tua... Condenas o amor libertino Somente porque não chegou ainda
O tempo completo do amor
O tempo de completo amor

O céu é neutro como tua mente
As cortinas rasgadas refletem tua fúria
Porém não olhaste meu grito
Nem tampouco secaste a lágrima
você
Agora meu coração sangra
Meus olhos roucos de gritar;
Engana-me com tua imagem
Esvaio-me em sangue;
Sem que tu, a noite ou o tempo
Se comovam; ou, no mínimo
Escutem meus olhares


Depois de tanto tempo, a escrita não parece minha, nunca ficava com cópias dos textos sempre foram escritos para uma só pessoa... uma dedicação? Talvez.
Acho que era mais melodramático e nostálgico na época, texto escrito por volta de 1992.

21.4.08

artifício - 004


a dica pode estar também no código fonte ;)

sem título - 052

sobre o inominável e unilateral sentimento inequívoco. (platônico)
que um outrora foi (lacônico, o que é lacônico?)
e hoje se esvai.
Perde-se dentro do fisico momento noturno
dentro de taças de vinho
onde o abstrato perdeu para o físico
e hj nada mais resta (se não cultivado)
além do momento
todos os anos passados substituídos por vãos momentos (noturnos)

26.2.08

mais que palavras - 005

sem título - 051

"o breve espasmo sobre a felicidade"
sobre as peripécias desimportantes,
que comovem cada vão minuto.

ciclos intermináveis
de vida e morte
noite e dia
cada traço ou palavra expressa.
cada pequena e ridícula fase;

os ciclos

desenhar

felicidade não é fácil de descrever,
momentos de felicidade são raros para alguns,
isso bem sei...

mais indescritível é a explosão de ser feliz
ser feliz a cada momento,
a cada dia

obrigado"

fim de espasmo...
siga seu coelho branco